Archive for 25 de maio de 2009

h1

O Imperador do Flamengo

25/05/2009

Capítulo 3 – Fora de controle

adrianobebumPor mais que seja craque, Adriano é uma contratação de risco do Flamengo.

Faz parte de uma geração de grandes jogadores descompromissados, mimados pelos milhões e glamour que o mundo atual do futebol oferece.

Jogadores como Robinho e Ronaldinho Gaúcho, que embora donos de talento acima do comum, costumam estar mais em evidêcia devido a atuações pífias e festas intermináveis.

Ronaldinho, inclusive, faz anos que não apresenta o futebol do auge no Barcelona, quando parecia que poderia ser O Melhor do Mundo quantas vezes quisesse.

É triste ver que seu futebol tenha se resumido a fracassados lançamentos para os atacantes. Quando foi a última vez que fez uma jogada individual, com habilidade e dribles em direção ao gol?

Adriano estava na mesma condição na Inter.

O bom futebol era assunto do passado.

Do Imperador que conquistou a titularidade da Seleção no côco, sendo artilheiro da Copa América de 2004 e melhor jogador da Copa das Confederações em 2005, já não restava muita coisa.

É impressionante como num período de tempo tão curto ele passou de melhor jogador da Seleção ao poste inútil da Copa de 2006.

Foi muito veículado na imprensa que a má fase do atacante seria resultado da imensa tristeza que sentia por causa da morte do pai.

O curioso é que o pai de Adriano morreu em agosto de 2004, quase um ano antes da melhor fase do atacante, na Copa das Confederações de 2005.

Ainda assim, após nebulosa fase pós-Copa, Adriano teve boa atuação jogando com a camisa do São Paulo, marcando 17 gols em 28 jogos.

Mesmo no SPFC, o clube mais estruturado do país, houve dificuldades para manter Adriano na linha, longe de bebedeiras e festas.

O assunto ainda é tratado com cautela no Morumbi. Fora um atraso no treino, em que foi multado, aparentemente não houve mais casos de indisciplina por parte do jogador enquanto foi atleta do clube.

Mas até hoje pode-se notar o cuidado dos dirigentes são paulinos em não falar demais sobre a passagem do atacante na equipe. Muita gente não gostou.

Será que na bagunça do Flamengo, perto do Rio e das más companhias, o atacante vai mostrar disciplina?

Ao contrário do que mostrou a horrorosa matéria da Rede Globo no Fantástico, a volta de Adriano ao Brasil não é uma história de “ricos malvados europeus x pobres brasileiros felizes”.  A verdade passa mais perto de “vício x viciado”, mesmo que a dependência não seja química, apenas gosto exacerbando pela fuzarca.

A nutricionista do Flamengo determinou que para entrar em forma, Adriano deve cortar alguns alimentos como cerveja e picanha da alimentação, mantendo a dieta em torno de 2200 calorias por dia.

Fofocas dão conta que o atacante esteve no restaurante Outback, e que teria consumido três copos de cerveja.

A quantidade talvez não seja preocupante, mas a situação sim. Uma pessoa – ainda mais sendo atleta – que, mesmo após recomendação médica, não consegue ficar sem ingerir bebidas alcólicas(na hora de uma refeição!) mostra sinais de alcolismo.

Se esse histórico preocupante vai pesar em sua passagem pelo Flamengo, só vamos saber a partir de domingo que vem.

Numa festa bonita, o Flamengo enfrenta o Atlético-PR na estréia do Imperador, no Maracanã.

É esperado que entre em campo, mostre disposição e algum futebol.

Que seja o primeiro capítulo de uma história com final feliz.

h1

Ão, ão, ão…

25/05/2009

“Não é grande coisa, mas leva muito perigo na bola parada”.

A frase acima foi usada por um jornalista esportivo há alguns meses para descrever o futebol do zagueiro Juninho.

Hoje, serve para descrever a que o time do Botafogo se reduziu.

Teve gente que ficou brava, mas a verdade é exatamente aquela que eu coloquei no post sobre o Maicossuel: a briga do Botafogo é na parte de baixo da tabela.

Faz uns três anos que a diretoria vivie de iludir o torcedor com times medianos/ruins que enganam contra os pequenos do Rio, perdem final pro Flamengo e fazem campanhas pífias no Brasileirão.

O time atual precisa muito de reforços, ou corre o risco de ouvir, no Carioca do ano que vem, a torcida do Flamengo trocar o “ooo vice de novooo” por  “ão ão ão/Segunda Divisão”.