Archive for 26 de junho de 2009

h1

Michael Jackson(1958-2009)

26/06/2009

O maior astro da música pop em todos os tempos está morto.

Nunca fui propriamente um fã de Michael Jackson.

Dos discos do cantor, possuo apenas um CD do “Off The Wall”, castigado por acidente de carro.

E ainda assim, me encontro completamente emocionado com o falecimento do cantor.

Talvez por ser uma pessoa que entende, antes do gosto pessoal, a importância de certos artistas para o mundo do entretenimento.

Talvez por simpatizar com figuras tidas pela sociedade como estranhas.

Talvez por já ter tomado mais cerveja, cachaça e whisky que pretendia pra essa noite de quinta-feira.

Talvez, e provavelmente, por conta de tudo isso.

E por se tratar do mais belo capítulo da arte americana de formar ícones da cultura mundial.

Michael Jackson está morto. Eu nunca pensei que ia viver pra ver isso, nunca imaginei que um dia teria um filho que nasceria num mundo sem Michael Jackson.

Pra mim ele era uma constante, assim como Pelé, Zico, Paul McCartney, Steven Spielberg e o Papa(vigente).

Me lembro com exatos detalhes a primeira vez em que fui apresentado ao nome de Michael Jackson.

Conhecer sua música já conhecia desde quando ele lançou o Thriller, pois mesmo tu sendo muleque e não sabendo direito o que está acontecendo fora dos desenhos animados, tu ouvia aquelas músicas ao ir pra escola, fora de casa e meio que memorizava a melodia.

Me lembro de ser um piá de seis, sete anos em 1988/1989 e ver no Globo Repórter, bem tarde da noite quando deveria estar dormindo, um clip que era, na época, o máximo em termos de tecnologia visual. Era aquele em que Michael entra dentro de um foguete num tipo de trem fantasma e vê um monte de coisas legais, inclusibe um esqueleto que dança que nem ele.

Até hoje me lembro de como fiquei impressionado. E daquele cantor magricelo, meio nego, de sorriso largo e cabelos molhados escorridos, meio macarrônicos.

Alguns meses depois, minha maior surpresa não era musical, mas sim saber quem era aquela mulher da capa da fita que a gente tanto ouvia no carro.

“Não é mulher, é um homem que parece mulher”, meu pai explicou. E aí eu tentei enxergar um homem naquela figura femininamente andrógena que estampava o encarte do K7.

Consegui ver um cara ali. O tal do Maicon. E aí eu e meu irmão cantamos nossa versão de “Bad”, no nosso inglês de Joel Santana, cheio de piadas internas.

Sem que a gente soubesse, ele já fazia parte de nossas vidas, como só os astros pops onipresentes fazem.

Alguns anos depois, Michael marcaira minha vida de três formas bem distintas:

O jogo do “Moonwalker” pro Master System era um dos melhores que a gente já tinha jogado na vida.

Era um típico jogo de plataforma, mas com o Michael Jackson. Isso por si só já era um barato, engraçado o suficiente pra garantir horas de diversão, mas tudo era diferente. Ele dava aqueles chutinhos, aquele pulo segurando o chapéu e era tudo golpe pra tu matar os inimigos. Além do que dava pra tu fazer o “Moonwalker” – que não tinha função nenhuma a não ser ser legal(particularidade que eu adoro) e dar magia em que todo mundo dançava que nem o Michael e depois morria.

E daí o macaquinho Ben vinha e te dizia aonde tava o chefão. Do caralho.

O vídeo que eu botei aqui é da versão pra mega, mas dá na mesma:

Reparem no quão involuntário era o jogo: Michael tinha que bater nas mulheres que bloqueavam seu caminho e o objetivo era salvar criancinhas

Depois do jogo, veio o clip de “Black Or White”.

Me levanta a mão o filha da puta que não lembra o mafuá que foi quando esse clip estreou no Fantástico(beeeeem antes da época da MTV).

Tá, pode abaixar.

Tinha o Kevin do “Esqueceram de mim”, os Simpsons, efeitos visuais inéditos na “mudança de caras”, o Michael virando pantera, pegando no saco e botando tudo pra fuder.

Depois censuraram a parte que ele pegava no saco e botava tudo pra fuder. Nunca mais vi.

Alguns anos depois a Rede Globo exibiu uma minissérie sobre Michael e sua família.

Eu vi só um pedaço do primeiro capítulo e todos os outros. Fiquei bem fascinado.

Talvez por sempre ter sido muito mais esquisitão que pretty boy ou regular joe ou talvez por ter visto o seriado eu sempre tenha pegado muito leve com o Michael.

A série mostrava Michael como um menino supertalentoso que perdeu sua infância para o trabalho e sua inocência para as surras e opressão moral do pai.

As mentes mais talentosas sempre são sensíveis.

Na ficção, Michael batalhava muito, sofria muito, corria atrás da carreira solo e meio que sempre se fudia. Era bem pesado. O final dava um clima de final feliz, mesmo porque saiu bem depois dele ter se tornado o maior dos fenômenos musicais, mas pra quem pensava um pouco além do óbvio era claro que tinha algo errado.

Tadinho do Michael.

Só depois dos 15 anos eu passei a me interessar por música e a entender o que havia sido o Michael Jackson.

Porque quando eu tinha 15 anos já era 1997, então o mumu da arte dele já tinha passado. Fez muito pouco, quase nada depois de “Dangerous”.

Na verdade, esse deve ter sido seu último álbum normal.

Quando eu já tinha mais de vinte e poucos, comprei o “Off The Wall” numa promoção das Lojas Americanas.

Esse disco foi o último da gravadora Motow e o último em que ele era negão.

Tem aquela música “Don’t Stop Till You Get Enough”(aquela do Vídeo Show) que é a minha preferida dele, e mais um monte de música boa, tipo “Rock With You” e “Girlfriend”(composição do Paul McCartney).

Esse disco embalou uma bela baderna que fizemos numa remota e pequena cidade interioriana de Santa Catarina, com muita bebida, alguns amigos, um hotel pedindo pra ser zuado e “Don’t Stop Till You Get Enough” tocando alto quando a gente chegou arregaçando no hotel depois da festa. E ainda rolou muita bebida e fuzarca na piscina, que ficariam marcados toda vez que eu escutava o CD.

Também foi um dos únicos discos a sobreviverem um acidente de carro feio que eu sofri no dia do natal de 2004 na BR-101.

Nunca gostei de fazer piada com o Michael Jackson.

Assim, claro que eu fazia e fiz ainda hoje.

Porra, ele era um preto que virou branco, não tem nada mais engraçado que isso.

Corrijo: não gostava quando faziam piadas clichês e repetitivas com ele.

Eu fiz minha cota, mas ficava puto quando vinha um merda tipo Fred Durnst(quem?) e falava todo palhão um negócio bem manjado sobre o Michael Jackson.

Cacete, ele tinha bagagem.

Ele foi maior que qualquer um.

Muitos podem argumentar que a Madonna rivaliza como diva pop com a importância do Michael, pois então…

…DIZ RÁPIDO O NOME DE DOIS DISCOS DA MADONNA:

Péééééééé.

Perdeu.

Errou.

Não conseguiu dizer.

Por mais que a Madonna tenha feito sucesso e ainda faz, sua obra não é importante e significativa como a do Michael Jackson.

“Like a Virgin”? Qualé, ninguém mais ouve essa merda hoje em dia, que dirá daqui a vinte anos.

Diferente dos discos do brancão/negão que ainda seguem arrasadores.

Lamento muito a morte do Michael. Como eu disse antes, não era esperado.

Pra um amante do rock and roll e da música pop, a morte dele acabou tendo em mim um peso inesperado.

Acho que é isso mesmo que significa ser relevante: a dimensão das pessoas que a gente toca enquanto vive.

Quantas pessoas vão chorar no meu funeral? Quantas vão realmente sentir quando eu partir?

Eu senti a perda do Michael, mesmo ele sendo algo bem longe de mim, longe de ser um ídolo. Era um artista cujo trabalho eu apreciava e cuja relevância eu sempre entendi perfeitamente.

Acredito que ele era pedófilo. Talvez a palavra limite um pouco sua patologia, mas era o resultado de uma infância de abusos paternos, somada a pressões profissionais e alma torturada de artista.

Acredito que ele molestou aquelas crianças.

Pessoas como Michael Jackson têm problemas que apenas se agravam a medida que começam a ganhar fama e dinheiro. Pois fama faz os problemas parecerem excentricidades e o dinheiro torna possível para o artista que os alimente, os cultive.

Faz com que os interesseiros façam vista grossa.

Não sei como Michael Jackson virou branco, mas duvido que tenha sido aquela doença que passou no fantástico.

Acho que ele torrou milhões de dólares pra conseguir atingir aquilo que julgava perfeito: cor caucasiana, traços delicados de meninos brancos; pele alva e nariz fino, longe de sua herança de negão e nunca bom o suficiente.

Dava pena.

Agora dá só tristeza.

Não queria que o Michael tivesse morrido.

Parece que arrancaram um pedaço muito importante da alma da gente.

Anúncios
h1

Fabregas dá pistas de que vai pro Real

26/06/2009

Já virou putaria.

Toda semana tem algum zé mané virando “o mais novo galáctico”.

Aí a gente aqui do blog tenta antecipar a notícia e dá barrigada, que nem no caso do Villa.

Na ocasião, o whisky me convenceu a dar como certa a contratação.

“Põe logo que essa porra acertou com o Real!”

Só que daí não acertou.

Pois bem, dessa vez é Cesc Fabregas quem pode pintar no Bernabeu.

De acordo com o tablóide inglês Daily Mirror, Fabregas reclamou que não ganhava nada com o Arsenal.

O jogador teria citado Cristiano Ronaldo como exemplo:

“Cristiano Ronaldo saiu do Manchester porque disse que não havia mais nada pra ganhar. Comigo é totalmente o oposto”

Resumindo: não vai sair e a continuará pipocando.

Acorda aí espanhol, te apruma e toma vergonha na cara!!

h1

Blog do Titan avisou: Chelsea queria Pato. Mas o Milan recusou…

26/06/2009

O Blog do Titan bem que avisou que o Chelsea queria levar Alexandre Pato.

Interesse, especulação e tal…

…pois os ingleses foram lá e ofereceram uma cagalhada de dinheiro pelo jogador.

Mas o Milan disse “pô, nada a vê, nem rola”.

Segundo o The Sun, o vice-presidente do Milan Adriano Galliani garantiu que Pato não sai do Milan.

E a torcida do Milan segue fudia, mas feliz.

Pato foi o segundo artilheiro do Milan no campeonato italiano, marcando 15 gols em 36 jogos.

Apenas Kaká marcou mais que ele.

h1

Novo uniforme do Manchester é todo cheio de coisinhas

26/06/2009

Saíram as fotos do novo uniforme do Manchester.

Não basta levar uma sacolada do Barcelona na final da Champions, tem que começar a nova temporada com o uniforme todo desfigurado.

Enfiaram um tipo de “V” preto no meio da camisa porque é, assim, tão moderno.

Uma bela bosta.

Nessa foto o bad boy Rooney aparece posando amarrando as chuteiras numa pose muito malvada.

Tudo isso pra convencer o torcedor que esse uniforme novo é PERIGOSO!!!

Se o time continuar a pipocar nos torneios europeus, essa faixa preta aí vai sumir logo, logo…