Archive for janeiro \29\UTC 2010

h1

Wall Street 2

29/01/2010

Lembra quando Hollywood começou com aquela mania de querer fazer sequências quase instântaneas de grandes de sucessos de bilheteria? Para combater essa tendência, alguns estúdios parece que resolveram investir em sequências que são o oposto de quase instântaneas. Wall Street vai ganhar uma segunda parte: Wall Street – Money Never Sleeps(bom ver que resolveram adotar a mania brasileira de enfiar subtítulos desnecessários e idiotas ao título de filmes).

Pra que não lembra, Wall Street foi o filme que deu o Oscar de melhor ator a Michael Douglas, se não me engano em 1988. Na segunda parte ele retoma o papel de Gordon Gekko, enquanto Shia LaBeouf vai ser o jovem auxiliado, traído e que vai se vingar de Gekko.

Na trama, Gekko sai da cadeia numa sequência que faz referência ao filme original e aos anos 80 – olha o tamanho do celular dele!!!!!! LOL – e precisa se redifinir como pessoa, buscando uma segunda chance. O filho do Indiana Jones é noivo da filha dele e também tem o Josh Brolin como chefão de um banco de investimentos, ou algo assim. Não vou falar que o Charlie Sheen faz uma participação interpretando Buddy Young, seu personagem no primeiro filme, pra não estragar a surpresa.

À direção, assume Oliver Stone.

Assista o teaser abaixo:

Anúncios
h1

40 discursos inspiradores em 2 minutos

28/01/2010

h1

Anúncio de “American Psycho” na Austrália

28/01/2010

Foi veiculado na Austrália para divulgar que “American Psycho” ia passar na televisão. O mais impressionante não é nem o fato de uma emissora gastar dinheiro com outdoor de filme, mas terem aprovado a veiculação de uma peça que apenas quem já assistiu ao filme consegue entender.

De qualquer forma, genial.

h1

Teste: você é racista?

28/01/2010

A noite já estava quase completamente instalada quando rumei em direção a meu carro para comparecer a algum compromisso que a memória nem sabe me dizer exatamente qual foi. O carro não estava na garagem, estava estacionado na rua, em frente ao prédio.

Ao andar em direção ao automóvel, percebi que um homem se aproximava de mim, na escuridão. Anos de paranóia me prepararam para momentos como esse e, rapidamente, abri o carro e me sentei no banco do motorista.

Logo que me acomodei e olhei pelo retrovisor, pude notar o candidato a meliante que se aproximava. Me lembro apenas que usava boné e era negro. Vinha em direção ao carro um tanto afoito e pude reparar que tinha intenção de me pedir alguma coisa.

Não tive a menor dúvida de que era fria – não necessariamente um assalto – e toquei o carro quando ele quase já conseguia tocar no vidro.

Moro num “bairro nobre” normalmente tranquilo e com diversos relatos de violência. Já tive, inclusive, o som de meu carro roubado por duas vezes. Dentro da garagem do prédio. Todo cuidado é pouco. Entretanto, diante da situação e dos detalhes(especialmente sobre a pigmentação do cidadão que procurava me abordar) muitos teriam classificado minha reação como racista. Discordo. Mas não custa levantar a questão: fui racista?

É claro que não. Tivesse sido um branco no lugar do preto, teria picado a mula de qualquer forma. Tivesse sido uma mulher grávida eu teria corrido. Talvez ficasse no lugar se o cidadão fosse um japonês, porque simplesmente não existem mendigos ou bandidos japoneses(a não ser os membros e chefões da Yakuza, máfia japonesa, mas esses tem a área de atuação mais concentrada no Japão).

Porém, a dúvida, de uma maneira mais abrangente, me abateu: sou racista? Sei a resposta para a pergunta, mas acho importante a reflexão. Pense, você que está lendo, é racista?

Independente do que você acha, sugiro que faça o teste abaixo para descobrir. Ele foi desenvolvido por especialistas de todas as cores para identificar seu grau de racismo. ATENÇÃO: quando digo que os especialistas são “de todas as cores” não significa que eles são “coloridos”(leia-se “bichas loucas”).

Esse teste foi criado em 2009 pelo Ministério de Cultura e Assuntos Raciais(CRMM) dos Estados Unidos com a ajuda de professores e alunos da Universidade de Columbia, em Nova York, para identificar o grau de segregação e diferença entre preconceitos e conceitos raciais do povo norte-americano. Seus resultados estão sendo estudados por diversas autoridades e agências de inteligência e serão transformados em documentário pelo cineasta Spike Lee.

São dez questões de múltipla escolha. Assinale apenas uma opção por questão.

Após cada questão está um esclarecimento sobre a pergunta, para que se reflita bastante sobre a resposta escolhida, educando o aluno desde o início e identificando os possíveis focos de racismo. Pontuação no final.

———————————————————————————————

Questão 01. Uma mulher vai até a delegacia chorando e antes que possa ser atendida desmaia e cai no chão. Ela apresenta sinais de violência física. Com muita dificuldade e bastante transtornada, ela conta aos policiais que foi estuprada. O estuprador em questão era:

a) afro-descendente

b) negro

c) preto

d) negão

e) mais ou menos da cor daquele cara do “Casseta & Planeta”

A questão é uma pegadinha. Pelo fato da mulher ter chegado andando, sozinha à delegacia, sem ninguém levando-a até lá, é porque já era tarde de noite e poucas pessoas estavam na rua, ou seja, a escuridão da situação tornaria o estuprador invisível. A resposta certa seria letra “e” uma vez que o “Casseta & Planeta” é formado por seis brancos, um preto, uma mulher e uma bicha e possibilita mais formas de defesa do que de acusação de racismo.

Questão 02. A afirmação “tudo igual é um caminhão cheio de japonês” é ofensiva para:

a) japoneses, por serem considerados todos iguais

b) caminhoneiros, por serem acusados de contrabando de imigrantes ilegais

c) pretos, por terem sido substituídos por japoneses na piada

d) sul-coreanos, que também são todos iguais mas não tem a mesma exposição dos japoneses

e) carecas

Eu aposto que você escolheu a letra “b”, pois se trata da opção aparentemente mais segura. Mas, se você olhar atentamente, está errado. Ela não apenas insinua que caminhoneiros realizam o serviço de transportar imigrantes como ainda julga os japoneses do caminhão como sendo ilegais. O que tem de errado em um bando de japoneses sentirem vontade de, todos juntos, dar uma voltinha de caminhão? Talvez eles gostem do vento refrescante. As opcões “c” e “d” seriam corretas, pois mostram que você apresenta grande apreço pela inclusão das mais variadas raças no contexto da questão.

Questão 03. Um homem negro se casa com uma mulher japonesa. Eles têm um filho. A criança será:

a) afro-asio-descendente

b) um “japreto”

c) um ninja que joga futebol pra caralho

d) viciado em sexo e vencedor de 71 títulos do PGA Golf Tour

e) que cor que fica quando se mistura amarelo com marrom?

Duas palavras e um nome: Tiger Woods. Letra “d” é a alternativa correta, simplesmente porque aconteceu de verdade. Letras “a” e “b” não estão completamente erradas, já que não existe uma nomenclatura oficial para a mistura de um japonês com um negro e qualquer uma das duas opções, quem sabe, poderia ser a escolhida. Se você optou por “c” você é muito racista e gosta de esteriotipar os outros. Além do mais, se trata de algo impossível de acontecer, em vista de que existem pouquíssimos ninjas negros e japoneses são péssimos jogadores de futebol. Letra “e” é apenas errada, muito errada… você não pode responder uma pergunta com outra pergunta.

Questão 04. Um albino caminha por uma calçada. À sua frente, um pintor pinta a janela de um prédio de preto. Quando o albino passa por debaixo da janela, o pintor derruba a tinta, que cai bem na cabeça do albino. Completamente coberto de tinta preta o albino ficou:

a) sujo e nojento

b) cinza

c) afro-descendente

d) do mesmo jeito, pois se Deus quisesse que albinos fossem pintados ele mesmo teria feito o serviço

e) triste por ter estragado o terno novo

Essa é a questão mais fácil de todo o teste. Alternativa “a” é a correta. Afinal, tinta é uma substância pegajosa e difícil de limpar. Não seria possível nem apertar a mão do pobre albino sem se sujar todo e o próprio infeliz teria muito trabalho sob água e sabão para desfazer o estrago. Opção “e” seria a menos errada, a seguir, pois dá credibilidade e dignidade ao albino, enquanto as três outras opções são muito, muito erradas. Afinal de contas, se Deus pudesse pintar os albinos, não pintaria de preto. Os olhos vermelhos combinam mais com azul.

Questão 05. Morgan Freeman interpreta Nelson Mandela em Invictus, novo filme de Clint Eastwood. A escolha foi perfeita para o papel porque Morgan Freeman é:

a) preto

b) velho

c) adorável, com sua voz calma de vovó sábia e suas sardinhas fofinhas

d) um grande ator

e) namorado de Clint Eastwood

Se você respondeu letra “e” peço, ou melhor, ORDENO que pare de fazer o teste e nunca mais volte a este site! Erradíssimo!! Está desclassificado! A opção correta é letra “a”. Sim, letra “a”! Um ator ruim também poderia interpretar o papel de Mandela. O fato de Freeman ser adorável não automaticamente o credencia para ser Mandela em um filme. Um ator mais jovem poderia se tornar Mandela graças a maquiagem. Mas nunca, nunca se poderia usar maquiagem em um ator, digamos, branco para que ele pudesse representar Mandela, o que ele significa para o povo negro. Não existe modo do papel ser interpretado por um japonês ou um albino. Mesmo que se jogasse uma lata de tinta preta em cima dele.

Questão 06. Qual das celebridades abaixo você admira mais?

a) Osama Bin Laden

b) Sadam Hussein

c) Obama Hussein

d) Idi Amin

e) Bandido da Luz Vermelha

Resposta correta: letra “c”. Passou o olho rápido, escolheu o Luz Vermelha porque era “menos pior”? Isso só pode ser explicado pelo fato de você não conhecer o sobrenome do Presidente Barack Obama. Se ele fosse branco, você conheceria? Racista!!

Questão 07. Judeus são muito bons para:

a) fazer dinheiro

b) usar aqueles cabelinhos enrolados

c) inalar gás letal

d) quebrar pedras

e) sorrir

Se você respondeu letras “c” ou “d” isso quer dizer que você é, em pleno século XXI, um nazista da melhor tradição alemã, o que é bem preocupante. Sério, procure ajuda. E considere-se proibido de consumir qualquer tipo de entretenimento vindo de Hollywood. Opção “e” é sim muito singela, mas é tão errada e preconceituosa quanto a opção “a”, afinal de contas não é a raça que determina o quão belo é seu sorriso ou o quão bom você é em fazer dinheiro. A opção correta é a letra “b”, pois de todas as raças, como é que só os judeus tem aqueles macarrõezinhos de cabelo saindo debaixo dos chapéus?

Questão 08. Uma Guerra Mundial, na sua opinião, significa:

a) todo mundo se juntando pra matar alguns amarelos

b) pretos matando pretos num país de pretos no continente preto

c) a Segunda Grande Guerra. Malditos judeus… Heil Hitler!!

d) oportunidade de fazer piadas sobre camuflagem com negros e albinos

e) que lutarei do lado que me pagar mais

Essa é tão fácil que eu nem vou falar qual é a certa(letra “d”). Quando você luta na guerra, tem que fazer que é de brincadeira, para que tudo vire uma grande confusão e o período seja divertido e badernoso como em M*A*S*H. Se você ficar encarnado em matar, matar, matar logo a situação vira um Platoon e é tudo tristeza. Não, letra “e” não está correta, pois só porque você é um mercenário vendido não significa que não seja racista.

Questão 09. Se você pudesse pertencer a outra raça que não a sua, qual das citadas abaixo você escolheria?

a) asiáticos

b) mexicanos

c) carecas

d) negros

e) índios

Se você escolheu qualquer letra, você é racista! Primeiro porque muitas das opções não são nem raças e segundo porque ao escolher uma das alternativas você está excluindo outras quatro, o que faz de você um péssimo habitante para o nosso querido, acolhedor e amoroso planeta Terra.

Questão 10. De que cor é o racismo?

a) amarelo. E tem olhos puxados, sorri muito e luta caratê

b) amarelo. E come cachorro

c) preto. Porque se é ruim, é preto

d) branco-alemão-careca. Porque se é ruim, é preto

e) amarelo. Qualé, eles têm uma bomba atômica…

A essa altura do questionário você talvez já tenha pegado a manha de responder as questões. Dessa forma, deve saber a resposta certa… ou não!! Mas já deve saber… e essa resposta é a letra “d”. Afinal de contas foram esses caras que inventaram o modelo de racismo seguido pelos jovens cabeçudos do século XXI. Não são amarelos, nem pretos, nem amarelos nem os outros amarelos. Medalha de ouro pra alemãozada!! Êêêêêêêê!! Até dá vontade de esquecer aquele negócio todo de nazismo. Mas peraí, isso não é pra ser bom… ou é? Nem lembro mais… alguém entendeu?

Confira sua pontuação abaixo:

—————————————————————————————–


Questão 01: a) 5   b) 5   c) 5   d) 5   e) 0

Questão 02: a) 5   b) 10   c) 0  d) 0 e) 5

Questão 03: a) 3   b) 3   c) 10   d) 0   e) 10

Questão 04: a) 0   b) 10   c) 10   d) 10   e) 3

Questão 05: a) 0   b) 5   c) 5   d) 5   e) DESCLASSIFICADO

Questão 06: a) 10   b) 10   c) 0   d) 10   e) 10

Questão 07: a) 5   b) 0   c) 10   d) 10   e) 5

Questão 08: a) 10   b) 10    c) 10   d) 0   e) 5

Questão 09: a) 10   b) 10   c) 10   d) 10   e) 10

Questão 10: a) 10   b) 10   c) 10   d) 0    e) 10

Classificação

De 0 a 4 pontos: você não fez o teste ou não teve paciência para contar pontos

De 5 a 30 pontos: desempenho fraquíssimo. Você definitivamente não é racista, não importa o quanto tenha tentando.

De 35 a 70 pontos: ha-há! Você gosta de pensar que não é racista, mas o justíssimo sistema de pontos não deixa dúvidas de que você é um anti-alguma coisa bastard!! Se conseguiu 70, parabéns, já dava pra passar de ano(caso a escola fosse um teste de racismo).

De 75 a 100 pontos: se jogar videogame ensinou alguma coisa para todos nós, é que é bom fazer muitos pontos(e que comer cogumelo deixa a gente grandão). Sendo assim, congratuleichon! A notícia ruim é que você é MUITO racista, mas com uma pontuação alta, o céu é o limite. Sinta-se livre para comemorar os resultados do teste com seus amigos da raça superior.


h1

A alegria de quem foi o último a saber

26/01/2010

MC Leozinho, confinado desde o ano passado n’A Fazenda sai cabisbaixo e eliminado do programa até encontrar os familiares e ouvir quem foi o campeão brasileiro do ano passado…

h1

E aí, a imprensa e torcedores afobadinhos ainda querem Ronaldinho na Copa?

26/01/2010

Por causa dos vídeos dos gols marcados por Ronaldinho Gaúcho em dois jogos pelo Campeonato Italiano a Rede Globo e demais jornalistas do Brasil se excitaram, molharam as calças, deram as mãos e clamaram: Ronaldinho Gaúcho TEM que ir pra Copa!

Afinal de contas, o próprio craque disse que vivia seu melhor momento futebolístico. Muita gente alardeou e concordou, mesmo sendo uma mentira muito cara-de-pau.

Aí domingo passado veio o clássico contra a Inter e…? Se calaram? Por que?

Me lembro de uma declaração do ex-jogador Careca, que jogou na Seleção, SPFC, Guarani e Napoli no final dos anos 90: “na minha época o cara tinha que fazer uns 30 gols pra aparecer. Hoje qualquer um que faz 10 gols já tão pedindo na Seleção”.

Mais de uma década depois, podemos reduzir os 10 gols para 4 ou 5. Ou para duas partidas, como foi o caso de Ronaldinho.

O meia do Milan foi exaltado pelos mesmos oportunistas medrosos de sempre.

Quando aparece com destaque em algum jornal italiano, vira notícia, melhor do mundo. Quando dá vexame na Seleção ou mesmo no Milan, aí é esquecido, ninguém falou nada. É a hipocrisia jornalística, o medo de errar ou de ter uma opinião que possa ser desacreditada meses depois.

Eu continuo firme achando o que sempre achei sobre Ronaldinho Gaúcho: tem talento para ser melhor que o Maradona foi e não deve voltar à Seleção.

Pode parecer ambíguo, mas explico: é um jogador talentoso, mas sem brios, sem ambição, sem ousadia. Além disso, amarela em momentos decisivos e some na Seleção. Vai ser lembrado como mais um que PODERIA ter sido grande e que não foi, ou melhor, que não alcançou toda a grandeza que poderia. Os motivos por que isso não aconteceu, não ligo.

E particularmente me irritou muito ver as comparações com Pelé seguidas da pífia atuação na Copa de 2006.

No jogo de domingo, Ronaldinho tentou. Fez bons lançamentos, correu, tentou uma bicicleta, quase marcou um golaço de voleio e teve ainda um lance de pura genialidade no meio de campo. E perdeu um pênalti, o que para a imprensa italiana deve ter pesado para que sua participação tenha sido considerada um fracasso.

Mas o time todo do Milan esteve mal. Não foi um “fracasso” ou mesmo uma performance destoadamente negativa. E ainda assim, freou todo o entusiasmo da mídia brasileira. Pela partida de ontem, Ronaldinho merecia ir à Copa?

Futebol é momento, mas opiniões são formadas baseadas em aprendizado de vida, caráter e experiências pessoais. Quando um jornalista ou veículo de comunicação muda, a cada semana, a opinião sobre um jogador, apenas fere sua credibilidade e honra profissional.

Talvez o Gaúcho apareça batendo mais uns pênaltis até o final do campeonato, talvez ele arrebente até o final da temporada. Provavelmente vai sumir, como tem feito nos últimos tempos.

Aconteça como for, continuarei torcendo para que não vá à Copa do Mundo.

h1

Romário e Ronaldo: a dupla Rô-Rô do Brasil

26/01/2010

Romário e Ronaldo formando o ataque titular da Seleção Brasileira em uma Copa do Mundo.

Nos tempos de hoje, com Romário de 1000 gols aposentado e Ronaldo “lenda viva” jogando no Brasil, fica estranho até falar essa frase. Mas em 1997, às vésperas da Copa do Mundo da França, era tudo o que o torcedor tinha na cabeça quando o assunto era futebol.

A “dupla Rô-Rô”, como batizou Galvão Bueno, era a esperança nacional para a conquista do pentacampeonato mundial. Jogando juntos naquela época, tiveram um desempenho avassalador, com muitos gols, vitórias e um futebol empolgante de verdade, lindo de se ver.

A princípio a idéia não era que fossem os dois os atacantes do Brasil. Quer dizer, Ronaldo pós-94 rapidamente se apropriou da 9 canarinho. O que ninguém imaginava é que seria Romário seu companheiro de ataque ideal.

Zagallo nunca foi muito com a cara de Romário. Após o tetra nos Estados Unidos, com o Baixinho já com trinta anos e não vencendo títulos no Flamengo, foi muito fácil para o Velho Lobo ignorar suas atuações e testar outros jogadores na posição.

Embora estivesse apresentando um futebol do mais alto nível e marcando muitos gols pelo Flamengo, Romário não tinha seu desejo de voltar à Seleção atendido. Já havia dito publicamente que tinha vontade de disputar as Olimpíadas de 96 e esperava que Zagallo acompanhasse seu esforço dentro de campo para alcançar esse objetivo.

No dia 5 de novembro de 1995, o Flamengo enfrentou o Internacional pelo Campeonato Brasileiro. Em vias de pegar a convocação seguinte à data, Romário teve uma excelente atuação, acompanha de perto por Zagallo. Entretanto, apesar de ter jogado muito bem, Romário não conseguiu marcar e o jogo terminou em 0 a 0. E mais uma vez Zagallo ignorou o futebol de Romário. E o teria feito mesmo que ele tivese marcado gols naquela partida. Não havia nada que parecesse fazer Zagallo mudar de idéia.

E aí vieram as Olimpíadas de 96. Para o torneio, Zagallo poderia levar três jogadores acima da idade olímpica(23 anos). Os escolhidos foram o zagueiro Aldair, o meia Rivaldo e o atacante Bebeto, companheiro de Romário no ataque do tetra em 94 e preferido do técnico brasileiro. O time teve problemas desde o primeiro jogo e foi eliminado nas semifinais pela Nigéria, num dos grandes fiascos daquela geração.

Ao fracassar na disputa pela inédita medalha de ouro olímpica, Zagallo se viu muito criticado pela opiniao pública e teve que trazer mudanças para a Seleção. Marcando muitos gols, não houve mais como segurar e Romário foi finalmente convocado para integrar o time do Brasil. Entretanto, a rixa entre os dois não se resolveria ali.

Muitos duvidavam que dois centro-avantes como Ronaldo e Romário pudessem jogar juntos e questionavam a escalação da dupla Rô-Rô como os titulares do Brasil. Parece absurdo hoje, mas foi bastante pertinente à época. O fato é que Romário e Ronaldo não eram apenas dois atacantes da mesma posição, mas dois craques do mais alto nível, de modo que jogariam bem em qualquer lado do ataque, como acabou acontecendo.

Desde a primeira partida já ficou claro para a torcida brasileira a força do time do Brasil com Rô-Rô em campo. E o futebol apresentado reverberou por muito tempo nos corações dos torcedores daquela época.

Juntos, Romário e Ronaldo foram vice-campeões do Torneio da França(1997) e campeões da Copa América(1997) e da Copa das Confederações(1997).

Neste último, com direito a show particular da dupla na final; vitória de 6 x 0 sobre a Austrália, com cada um marcando três gols.

Entretanto, foi na Copa América que o destino de Rô-Rô foi sofreu desvios decisivos. Zagallo precisava muito daquele título para apagar o fiasco de Atlanta 96 e da própria Copa América de 95.

Para o ataque, Zagallo convocou para o torneio Romário, Ronaldo, Edmundo e Paulo Nunes. Na semifinal contra o Peru, o Brasil já vencia o jogo por 5 x 0(dois gols de Romário) quando Zagallo colocou Edmundo em campo. Após o primeiro passe do Animal, o Baixinho sentiu uma fisgada na virilha e pediu para sair. Zagallo não teve dúvidas: Romário havia fingido a lesão para não ter que jogar ao lado de seu desafeto Edmundo. Irritado, Zagallo não escalou Romário para a final contra a Bolívia. E a desavença entre os dois ficava ainda pior.

Mesmo assim, tudo andava engatilhado para a dupla Rô-Rô(maldito Galvão) brilhar na França. O problema é que às vésperas do Mundial Romário sofreu uma grave lesão e foi cortado da Seleção Brasileira que disputaria a Copa. Médicos como Nílton Petroni, o Filé, criticaram o corte, afirmando que o jogador poderia se recuperar a tempo de disputar o torneio(o que de fato aconteceu, com Romário jogando uma partida pelo Flamengo no mesmo dia em que o Brasil fez a estréia contra a Escócia). Mas Zagallo não havia esquecido o episódio da Copa América…

Pro lugar do Baixinho foi convocado o volante Emerson(!!), fato que se já foi questionável por deixar o Brasil apenas com três atacantes para a Copa ainda ficou pior depois que Emerson machucou a mão brincando de goleiro num treino. E assim, além de perder a oportunidade de ver o futebol mágico de Romário e Ronaldo no Mundial, o Brasil perdeu também a Copa do Mundo.

Passada a Era Zagallo, a dupla Rô-Rô voltaria a se encontrar dentro de campo. Jogaram juntos pela última vez em 28 de abril de 1999, no empate em 2 a 2 contra o Barcelona. Naquela partida, o último lance de ilusion da dupla: Romário dá a assistência para Ronaldo, que dribla o goleiro Hesp e faz o gol.

Mas como contar com um Romário de 36 anos para a Copa de 2002? O treinador Luiz Felipe Scolari não confiava no Baixinho, mas a torcida não tinha dúvidas: queria ele e Ronaldo para a “Japéia”. O público esperava tanto ver a dupla em ação que numa pesquisa feita em março de 2001 – quase dois anos após a última atuação da dupla Rô-Rô – 40% os entrevistados escolheram o Baixinho como atacante ideal da Seleção, entre uma lista que contava com 23 nomes. Em seguno lugar, Ronaldo, com 13,5%.

A enorme diferença entre os dois se explica: Ronaldo não jogava fazia quase um ano e Romário havia marcado nada menos que 73(!!) gols em 2000.

Mas isso não foi suficiente para amolecer o coração gaúcho do Felipão, tchê. E em 2002 a lista de atacantes para a Copa do Mundo contava com Edílson e Luizão, mas não tinha o nome do Baixinho.

Com a conquista do Penta naquele ano, toda a cobrança – e lembrança – pela dupla Rô-Rô foi ofuscada pelo título e quase desapareceu. Ainda bem que existe gente aplicada, que ama o bom futebol, pra fazer com que a geração youtube tenha acesso a essas fantásticas memórias, que ajudam a gente a entender porque gostamos tanto de futebol.

—————————————————————————————–

Romário e Ronaldo – a dupla em ação

19 jogos pela Seleção

14 vitórias

3 empates

2 derrotas

56 gols (média de 2,94)

60% dos gols (34) foram marcados pela dupla

Romário marcou 19 gols

Ronaldo marcou 15 gols

Em 3 jogos nenhum dos dois fez gol

———————————————————————————————

E, pra encerrar, dois vídeos – um bem ruim e outro que foi o melhor exemplo do que representou por algum tempo a dupla Rô-Rô para o torcedor: pura magia.