Archive for 14 de janeiro de 2010

h1

Novela chega ao fim: Vagner Love acerta com o Flamengo

14/01/2010

O macaco Chico casou, “Caras e Bocas” acabou e a novela sobre a contratação de Vagner Love pelo Flamengo ainda estava longe de terminar.

Nesta quinta, ela chega ao fim. Com final feliz. Para os flamenguistas, claro, porque os palmeirenses seguem de lombo quente.

Vagner Love vai jogar no Flamengo por empréstimo.

No Palmeiras, custou caro, jogou mal, apanhou e não classificou o time para a Libertadores. Como será sua passagem pelo Rubro-Negro?

Vale lembrar que em 2008 rolou uma novela tão duradoura quanto essa de agora e que terminou com o jogador longe da Gávea. O acerto de 2010 serve como um prêmio de consolação aos torcedores que criaram expectativas naquela época.

E, ao que parece, o acordo foi feito sem nenhum tipo de gasto para o Flamengo, diferente das “comissões” que rolavam no Flamengo daqueles tempos.

O único ponto negativo é o valor especulado do salário de Vagner Love no Flamengo: algo em trono de R$ 450 mil.

Os números, exacerbadamente altos, podem criar problemas entre os atletas menos onerados do elenco. Andrade vai ter que apresentar muito jogo de cintura, se isso ocorrer.

Também não pode deixar atrasar o salário do negão. Como ele vai fazer trancinhas e apanhar de torcedores em agências bancárias se o salário não pingar na conta? Fora o corpo mole… felizmente, tudo indica que o salário será bancado por patrocinadores ou pela OLK, fornecedora de material esportivo do clube.

Falar em definitivo sobre a passagem de Vagner Love pelo Flamengo, só após o final do contrato. Por enquanto, o que podemos afirmar é que o Flamengo possui a melhor dupla de atacantes do país.

h1

A despedida de Marcelinho Carioca

14/01/2010


O primeiro jogo do Corinthians em 2010 foi também o último de Marcelinho Carioca como jogador de futebol.

Um dos maiores craques da história do clube paulista, Marcelinho prometia no mínimo uma tarde de diversão ao atuar no meio-campo do time, ainda sem reforços como Roberto Carlos, Danilo, Tcheco e Iarley. E sem Ronaldo.

O legal do jogo era mesmo ver Souza e Morais, jogadores odiados pela torcida e considerados fiascos, se juntando ao eterno camisa 7(que atuou com a 100) para enfrentar o Huracán. No mínimo, curioso.

E, quem diria, foi mesmo Souza o homem do jogo. Com muita movimentação e participação, foi o principal jogador do Corinthians. Jogou apenas o primeiro tempo, fez um gol e deu uma bela assistência para Morais, quem diria, marcar o segundo em bela jogada.

Eu gosto do Souza. Não acho ele o perna-de-pau que muitos flamenguistas e todos os corintianos acreditam que seja. Teve participação decisiva no Brasileirão de 2007, quando o Flamengo terminou em 3o e ia fazendo um bom campeonato no torneio de 2008, quando foi vendido.

Agora, esperar que ele seja um artilheiro de quase um gol por jogo é viajar em devaneios. Ele é mais um jogador de esquema, que segura a bola na frente, prepara jogadas e serve os companheiros.

Legal vê-lo jogando bem. E sorte do Corinthians que tem Dentinho e Ronaldo. Mas ele nunca será pior que o Jorge Henrique…

E o Marcelinho?  Até começou aparecendo, tocou bastante na bola e fez um ou dois bons lançamentos, lembrando os velhos tempos. Mas daí cansou. Ou então não teve moral suficiente com o treinador Mano Menezes, saindo no intervalo. Mano era um dos principais opositores à idéia de um jogo de despedida de Marcelinho. O treinador preferia que a partida contra o Huracán fosse um teste para parte do elenco de 2010.

Mas com que objetivo? O Huracán – atuando com reservas e sem nenhum tipo de interesse no jogo – apenas cumpriu o contrato que previa o amistoso como parte do pagamento pela transferência de Defederico. Pra se ter uma idéia da falta de vontade dos argentinos, a delegação do time esqueceu as caneleiras no hotel e teve que atuar com material emprestado pelo Corinthians.

Um jogo-teste de verdade não teria o peso-morto Escudero atuando como titular da lateral-esquerda. E um jogo-teste de verdade não teria o peso-morto Escudero atuando sem receber cartão amarelo. E ele conseguiu. Jogou a partida inteira e não foi advertido com cartão. Parabéns Escudero, foi a primeira vez!!

Assim, o Timão ainda marcou o terceiro, um golaço de Dentinho, mas não teve pela frente um teste considerável. Jogando a Libertadores, o Campeonato Paulista pode ser usado com muito mais eficiência como campo de testes para montagem da equipe.

Teria sido muito mais justo com Marcelinho e com o torcedor que foi ao Pacaembu deixar o Pé de Anjo atuar os 90 minutos, mesmo que se arrastando em campo.

Infelizmente quem assistiu a partida não teve a oportunidade de ver Marcelinho cobrar uma falta pela última vez.

Ainda assim, Marcelinho pelo menos teve a chance de se despedir da forma que merecia, com dignidade, diante da torcida, jogando e sendo homenageado.

É muito mais do que o injusto esporte brasileiro costuma oferecer a seus grandes atletas do passado.

h1

Lula não desiste de tentar censurar a imprensa(entre outros absurdos)

14/01/2010

O Governo Lula foi uma tremenda decepção aos militantes de esquerda.

Além de provar que o PT era tão apegado a maracutaias quanto qualquer outro partido – o Presidente não sabe de nada – ainda por cima não apresentou, em forma ou conteúdo, nada que pudesse ser considerado “de esquerda”.

Nenhuma das convenções comunistas ideológicas foi aplicada durante os oito anos de Lula na presidência, o que fez com que o mandatário cego e surdo perdesse bastante prestígio junto do pessoal do lado canhoto da força.

Assim, embora você talvez não tenha ouvido falar, o Governo Lula lançou o Decreto dos Direitos Humanos, uma espécie de AI-5 da Era Petista, disfarçado sob a carapuça de decreto e que contém mudanças em diversas áreas socias, muitas vezes ferindo a constituição, os direitos do cidadão brasileiro e voltando ao período censor da ditadura.

O Decreto foi lançado sem muito alarde no dia 21 de dezembro de 2009, data estratégica, escolhida exatamente para que o brasileiro não tivesse a menor vontade de acompanhar – ou possibilidade – de acompanhar o desenvolvimento do documento autoritário.

Ele foi produzido por Paulo Vannuchi, Secretário Especial dos Direitos Humanos e ex-terrorista da Ação Libertadora Nacional(ALN) e Franklin Martins, da Comunicação Social, o homem que tem a ambição de se tornar o Fidel Castro da imprensa brasileira.

Entre o conteúdo do Decreto, encontra-se o “Objetivo Estratégico VI”, que foi criado para proteger legalmente invasores de terras e propriedades. Outras linhas são destinadas à inclusão do sindicato dos trabalhadores nos processos de licenciamento ambiental das empresas, além da revisão à Lei da Anistia, que enfureceu o exército brasileiro.

Enfim, trata-se de um pré-plano de governo petista criado para o Governo Dilma, que dará a Presidenta – se eleita – poderes à margem do Congresso, via plebiscitos, referendos, leis de iniciativa popular e de veto popular.

De todos esses absurdos, um me chamou muito a atenção: a nova investida do PT para tentar censurar a imprensa.

O “Objetivo Estratégico I” pretende “Promover o respeito aos Direitos Humanos nos meios de comunicação e o cumprimento de seu papel na promoção da cultura em Direitos Humanos”.

Acompanhe algumas de suas ações programáticas:

a)Propor a criação de marco legal regulamentando o art. 221 da Constituição, estabelecendo o respeito aos Direitos Humanos nos serviços de radiodifusão (rádio e televisão) concedidos, permitidos ou autorizados, como condição para sua outorga e renovação, prevendo penalidades administrativas como advertência, multa, suspensão da programação e cassação, de acordo com a gravidade das violações praticadas.

Traduzindo: quem não seguir a linha de pensamento do Governo, ou quem desagradar de alguma forma pessoas ligadas ao PT, seus interesses ou objetivos, terá a programação suspensa e sofrerá cassação, de acordo com os critérios nebulosos e esquerdistas do controlador.

b)Promover diálogo com o Ministério Público para proposição de ações objetivando a suspensão de programação e publicidade atentatórias aos Direitos Humanos.

Traduzindo: a auto-regulamentação da publicidade brasileira feita pelo CONAR – código aprovado em 1978 exatamente para que os publicitários brasileiros escapassem da censaura da ditadura militar – que é um dos poucos exemplos nacionais de agilidade e bom senso dentro da sociedade ficará nas mãos dos critérios – e interesses – do Governo.

c)Suspender patrocínio e publicidade oficial em meios que veiculam programações atentatórias aos Direitos Humanos.

Traduzindo: qualquer que seja o veículo de comunicação que receba, de qualquer forma, algum benefício, patrocínio ou amparo do Governo, que apresentar conteúdo “impróprio” – ou seja, que não condiz com os interesses dos regulamentadores, tem o apoio cortado. É a maneira que o PT escolheu para que, através da Ancine, os filmes produzidos com verba estatal carreguem mensagens e propaganda de esquerda.

d)Elaborar critérios de acompanhamento editorial a fim de criar ranking nacional de veículos de comunicação comprometidos com os princípios de Direitos Humanos, assim como os que cometem violações.

Traduzindo: censura nua e crua. No topo do tal “ranking de comprometimento”, veículos que seguem os princípios e interesse de Lula e seus petistas, recebendo como presente pela fidelidade a publicidade em cima do fato de ser “o primeiro colocado do ranking”.

Através dessa decisão, o Governo está livre para fiscalizar – e coibir, e intimidar, e pressionar – qualquer tipo de publicação veiculada no Brasil, com o poder de CENSURAR qualquer palavra que não seja de seu agrado. Ou que não seja motivada por seus interesses. Ou que não sirva a seus propósitos.

O mais assustador é reparar no tamanho da fome que os petistas tem em querer ter a imprensa “fiscalizada” – e por isso entenda-se controlada – por sua trupe. Essa não foi a primeira vez que uma manobra desse tipo aconteceu no Governo Lula. Não podemos nos esquecer que faz alguns anos e quase foi criado um orgão especialmente com o intuito de “fiscalizar” a imprensa.

Esse tipo de domínio sobre a opinião pública é a menina dos olhos do PT e da cambada de esquerda. O maior objetivo dessa ideologia é manter o pobre na pobreza, o miserável na miséria, o idiota na idiotice para que, ao jogar migalhas para a população, todo o dinheiro, terras e bens fiquem com os governantes esquerditas. É o que eles entendem por comunismo.

Lula e o PT tem medo da imprensa. Por isso, quando o Presidente do Brasil afirma que “o papel da imprensa não é fiscalizar, é informar” ele não apenas revela que não quer ninguém expondo os escândalos de seu Governo e procurando passar a verdade à população, mas mostra no que realmente acredita.

A própria extinção da necessidade de diploma para exercer o jornalismo já foi uma decisão que de forma muito conveniente se encaixou nos planos de Lula. Com isso, qualquer jagunço, por uma miséria, pode transformar mentiras em verdades, limpar a barra do PT e sujar a dos adversários. Sob o decreto, com aval da Presidência.

O papel do Governo não é “fiscalizar” a Liberdade de Expressão. É governar.

E por isso entendo mais do que apenas satisfazer grupelhos de esquerda com um decreto altamente político e sem fundamento social.

Se o Governo Lula tem tanta vontade em ajudar os invasores de terra, sugiro a criação de uma diretriz que destine 15% de toda proprieade de filiados ao PT ao MST e demais criminosos da área. Fim da hipocrisia.

Quanto a imprensa, deixe que continue com o povo, do jeito que sempre deveria ser: livre e FISCALIZANDO.

Clique aqui para ler, na íntegra, o Decreto dos Direitos Humanos