Archive for 26 de janeiro de 2010

h1

A alegria de quem foi o último a saber

26/01/2010

MC Leozinho, confinado desde o ano passado n’A Fazenda sai cabisbaixo e eliminado do programa até encontrar os familiares e ouvir quem foi o campeão brasileiro do ano passado…

h1

E aí, a imprensa e torcedores afobadinhos ainda querem Ronaldinho na Copa?

26/01/2010

Por causa dos vídeos dos gols marcados por Ronaldinho Gaúcho em dois jogos pelo Campeonato Italiano a Rede Globo e demais jornalistas do Brasil se excitaram, molharam as calças, deram as mãos e clamaram: Ronaldinho Gaúcho TEM que ir pra Copa!

Afinal de contas, o próprio craque disse que vivia seu melhor momento futebolístico. Muita gente alardeou e concordou, mesmo sendo uma mentira muito cara-de-pau.

Aí domingo passado veio o clássico contra a Inter e…? Se calaram? Por que?

Me lembro de uma declaração do ex-jogador Careca, que jogou na Seleção, SPFC, Guarani e Napoli no final dos anos 90: “na minha época o cara tinha que fazer uns 30 gols pra aparecer. Hoje qualquer um que faz 10 gols já tão pedindo na Seleção”.

Mais de uma década depois, podemos reduzir os 10 gols para 4 ou 5. Ou para duas partidas, como foi o caso de Ronaldinho.

O meia do Milan foi exaltado pelos mesmos oportunistas medrosos de sempre.

Quando aparece com destaque em algum jornal italiano, vira notícia, melhor do mundo. Quando dá vexame na Seleção ou mesmo no Milan, aí é esquecido, ninguém falou nada. É a hipocrisia jornalística, o medo de errar ou de ter uma opinião que possa ser desacreditada meses depois.

Eu continuo firme achando o que sempre achei sobre Ronaldinho Gaúcho: tem talento para ser melhor que o Maradona foi e não deve voltar à Seleção.

Pode parecer ambíguo, mas explico: é um jogador talentoso, mas sem brios, sem ambição, sem ousadia. Além disso, amarela em momentos decisivos e some na Seleção. Vai ser lembrado como mais um que PODERIA ter sido grande e que não foi, ou melhor, que não alcançou toda a grandeza que poderia. Os motivos por que isso não aconteceu, não ligo.

E particularmente me irritou muito ver as comparações com Pelé seguidas da pífia atuação na Copa de 2006.

No jogo de domingo, Ronaldinho tentou. Fez bons lançamentos, correu, tentou uma bicicleta, quase marcou um golaço de voleio e teve ainda um lance de pura genialidade no meio de campo. E perdeu um pênalti, o que para a imprensa italiana deve ter pesado para que sua participação tenha sido considerada um fracasso.

Mas o time todo do Milan esteve mal. Não foi um “fracasso” ou mesmo uma performance destoadamente negativa. E ainda assim, freou todo o entusiasmo da mídia brasileira. Pela partida de ontem, Ronaldinho merecia ir à Copa?

Futebol é momento, mas opiniões são formadas baseadas em aprendizado de vida, caráter e experiências pessoais. Quando um jornalista ou veículo de comunicação muda, a cada semana, a opinião sobre um jogador, apenas fere sua credibilidade e honra profissional.

Talvez o Gaúcho apareça batendo mais uns pênaltis até o final do campeonato, talvez ele arrebente até o final da temporada. Provavelmente vai sumir, como tem feito nos últimos tempos.

Aconteça como for, continuarei torcendo para que não vá à Copa do Mundo.

h1

Romário e Ronaldo: a dupla Rô-Rô do Brasil

26/01/2010

Romário e Ronaldo formando o ataque titular da Seleção Brasileira em uma Copa do Mundo.

Nos tempos de hoje, com Romário de 1000 gols aposentado e Ronaldo “lenda viva” jogando no Brasil, fica estranho até falar essa frase. Mas em 1997, às vésperas da Copa do Mundo da França, era tudo o que o torcedor tinha na cabeça quando o assunto era futebol.

A “dupla Rô-Rô”, como batizou Galvão Bueno, era a esperança nacional para a conquista do pentacampeonato mundial. Jogando juntos naquela época, tiveram um desempenho avassalador, com muitos gols, vitórias e um futebol empolgante de verdade, lindo de se ver.

A princípio a idéia não era que fossem os dois os atacantes do Brasil. Quer dizer, Ronaldo pós-94 rapidamente se apropriou da 9 canarinho. O que ninguém imaginava é que seria Romário seu companheiro de ataque ideal.

Zagallo nunca foi muito com a cara de Romário. Após o tetra nos Estados Unidos, com o Baixinho já com trinta anos e não vencendo títulos no Flamengo, foi muito fácil para o Velho Lobo ignorar suas atuações e testar outros jogadores na posição.

Embora estivesse apresentando um futebol do mais alto nível e marcando muitos gols pelo Flamengo, Romário não tinha seu desejo de voltar à Seleção atendido. Já havia dito publicamente que tinha vontade de disputar as Olimpíadas de 96 e esperava que Zagallo acompanhasse seu esforço dentro de campo para alcançar esse objetivo.

No dia 5 de novembro de 1995, o Flamengo enfrentou o Internacional pelo Campeonato Brasileiro. Em vias de pegar a convocação seguinte à data, Romário teve uma excelente atuação, acompanha de perto por Zagallo. Entretanto, apesar de ter jogado muito bem, Romário não conseguiu marcar e o jogo terminou em 0 a 0. E mais uma vez Zagallo ignorou o futebol de Romário. E o teria feito mesmo que ele tivese marcado gols naquela partida. Não havia nada que parecesse fazer Zagallo mudar de idéia.

E aí vieram as Olimpíadas de 96. Para o torneio, Zagallo poderia levar três jogadores acima da idade olímpica(23 anos). Os escolhidos foram o zagueiro Aldair, o meia Rivaldo e o atacante Bebeto, companheiro de Romário no ataque do tetra em 94 e preferido do técnico brasileiro. O time teve problemas desde o primeiro jogo e foi eliminado nas semifinais pela Nigéria, num dos grandes fiascos daquela geração.

Ao fracassar na disputa pela inédita medalha de ouro olímpica, Zagallo se viu muito criticado pela opiniao pública e teve que trazer mudanças para a Seleção. Marcando muitos gols, não houve mais como segurar e Romário foi finalmente convocado para integrar o time do Brasil. Entretanto, a rixa entre os dois não se resolveria ali.

Muitos duvidavam que dois centro-avantes como Ronaldo e Romário pudessem jogar juntos e questionavam a escalação da dupla Rô-Rô como os titulares do Brasil. Parece absurdo hoje, mas foi bastante pertinente à época. O fato é que Romário e Ronaldo não eram apenas dois atacantes da mesma posição, mas dois craques do mais alto nível, de modo que jogariam bem em qualquer lado do ataque, como acabou acontecendo.

Desde a primeira partida já ficou claro para a torcida brasileira a força do time do Brasil com Rô-Rô em campo. E o futebol apresentado reverberou por muito tempo nos corações dos torcedores daquela época.

Juntos, Romário e Ronaldo foram vice-campeões do Torneio da França(1997) e campeões da Copa América(1997) e da Copa das Confederações(1997).

Neste último, com direito a show particular da dupla na final; vitória de 6 x 0 sobre a Austrália, com cada um marcando três gols.

Entretanto, foi na Copa América que o destino de Rô-Rô foi sofreu desvios decisivos. Zagallo precisava muito daquele título para apagar o fiasco de Atlanta 96 e da própria Copa América de 95.

Para o ataque, Zagallo convocou para o torneio Romário, Ronaldo, Edmundo e Paulo Nunes. Na semifinal contra o Peru, o Brasil já vencia o jogo por 5 x 0(dois gols de Romário) quando Zagallo colocou Edmundo em campo. Após o primeiro passe do Animal, o Baixinho sentiu uma fisgada na virilha e pediu para sair. Zagallo não teve dúvidas: Romário havia fingido a lesão para não ter que jogar ao lado de seu desafeto Edmundo. Irritado, Zagallo não escalou Romário para a final contra a Bolívia. E a desavença entre os dois ficava ainda pior.

Mesmo assim, tudo andava engatilhado para a dupla Rô-Rô(maldito Galvão) brilhar na França. O problema é que às vésperas do Mundial Romário sofreu uma grave lesão e foi cortado da Seleção Brasileira que disputaria a Copa. Médicos como Nílton Petroni, o Filé, criticaram o corte, afirmando que o jogador poderia se recuperar a tempo de disputar o torneio(o que de fato aconteceu, com Romário jogando uma partida pelo Flamengo no mesmo dia em que o Brasil fez a estréia contra a Escócia). Mas Zagallo não havia esquecido o episódio da Copa América…

Pro lugar do Baixinho foi convocado o volante Emerson(!!), fato que se já foi questionável por deixar o Brasil apenas com três atacantes para a Copa ainda ficou pior depois que Emerson machucou a mão brincando de goleiro num treino. E assim, além de perder a oportunidade de ver o futebol mágico de Romário e Ronaldo no Mundial, o Brasil perdeu também a Copa do Mundo.

Passada a Era Zagallo, a dupla Rô-Rô voltaria a se encontrar dentro de campo. Jogaram juntos pela última vez em 28 de abril de 1999, no empate em 2 a 2 contra o Barcelona. Naquela partida, o último lance de ilusion da dupla: Romário dá a assistência para Ronaldo, que dribla o goleiro Hesp e faz o gol.

Mas como contar com um Romário de 36 anos para a Copa de 2002? O treinador Luiz Felipe Scolari não confiava no Baixinho, mas a torcida não tinha dúvidas: queria ele e Ronaldo para a “Japéia”. O público esperava tanto ver a dupla em ação que numa pesquisa feita em março de 2001 – quase dois anos após a última atuação da dupla Rô-Rô – 40% os entrevistados escolheram o Baixinho como atacante ideal da Seleção, entre uma lista que contava com 23 nomes. Em seguno lugar, Ronaldo, com 13,5%.

A enorme diferença entre os dois se explica: Ronaldo não jogava fazia quase um ano e Romário havia marcado nada menos que 73(!!) gols em 2000.

Mas isso não foi suficiente para amolecer o coração gaúcho do Felipão, tchê. E em 2002 a lista de atacantes para a Copa do Mundo contava com Edílson e Luizão, mas não tinha o nome do Baixinho.

Com a conquista do Penta naquele ano, toda a cobrança – e lembrança – pela dupla Rô-Rô foi ofuscada pelo título e quase desapareceu. Ainda bem que existe gente aplicada, que ama o bom futebol, pra fazer com que a geração youtube tenha acesso a essas fantásticas memórias, que ajudam a gente a entender porque gostamos tanto de futebol.

—————————————————————————————–

Romário e Ronaldo – a dupla em ação

19 jogos pela Seleção

14 vitórias

3 empates

2 derrotas

56 gols (média de 2,94)

60% dos gols (34) foram marcados pela dupla

Romário marcou 19 gols

Ronaldo marcou 15 gols

Em 3 jogos nenhum dos dois fez gol

———————————————————————————————

E, pra encerrar, dois vídeos – um bem ruim e outro que foi o melhor exemplo do que representou por algum tempo a dupla Rô-Rô para o torcedor: pura magia.

h1

Portal mágico e misterioso em Porto

26/01/2010

Essa foto impressionante mostra o que só pode ser um portal aberto no céu de Porto, em Portugal.

Ainda não se sabe se algum ser fantástico ou monstro horroroso vai sair dali de dentro ou se ele é a entrada para algum mundo nerd mágico ou outra dimensão lisérgica e aventureira. Tudo o que podemos afirmar com certeza é que não se trata de algum tipo de ilusão de ótica, erro na fotografia ou mesmo alguma coisa que tenha caído na lente. Como se essas coisas pudessem acontecer assim, sem mais nem menos…

Como nenhum garoto de 11 anos perseguido pelos coleguinhas malvados da escola ainda não entrou dentro do portal, esperamos que logo saia alguma coisa de lá. E desde já saudamos qualquer tipo de demônio asqueroso que possa vir a querer subjugar a raça humana.

O Blog do Titan saúda a nova raça soberana do planeta Terra! Seremos seus escravos e serventes, ó criatura do portal mágico de Porto, Portugal.

A qualquer momento. Ainda não. Agoooooooor… ainda não.

Daqui a pouco vai chegar.

Quem tiver informações, por favor avisar. Assim teremos tempo de acabar nosso bolo e as faixas em homenagem ao(s) demônio(s) de outra dimensão.