h1

Romário e Ronaldo: a dupla Rô-Rô do Brasil

26/01/2010

Romário e Ronaldo formando o ataque titular da Seleção Brasileira em uma Copa do Mundo.

Nos tempos de hoje, com Romário de 1000 gols aposentado e Ronaldo “lenda viva” jogando no Brasil, fica estranho até falar essa frase. Mas em 1997, às vésperas da Copa do Mundo da França, era tudo o que o torcedor tinha na cabeça quando o assunto era futebol.

A “dupla Rô-Rô”, como batizou Galvão Bueno, era a esperança nacional para a conquista do pentacampeonato mundial. Jogando juntos naquela época, tiveram um desempenho avassalador, com muitos gols, vitórias e um futebol empolgante de verdade, lindo de se ver.

A princípio a idéia não era que fossem os dois os atacantes do Brasil. Quer dizer, Ronaldo pós-94 rapidamente se apropriou da 9 canarinho. O que ninguém imaginava é que seria Romário seu companheiro de ataque ideal.

Zagallo nunca foi muito com a cara de Romário. Após o tetra nos Estados Unidos, com o Baixinho já com trinta anos e não vencendo títulos no Flamengo, foi muito fácil para o Velho Lobo ignorar suas atuações e testar outros jogadores na posição.

Embora estivesse apresentando um futebol do mais alto nível e marcando muitos gols pelo Flamengo, Romário não tinha seu desejo de voltar à Seleção atendido. Já havia dito publicamente que tinha vontade de disputar as Olimpíadas de 96 e esperava que Zagallo acompanhasse seu esforço dentro de campo para alcançar esse objetivo.

No dia 5 de novembro de 1995, o Flamengo enfrentou o Internacional pelo Campeonato Brasileiro. Em vias de pegar a convocação seguinte à data, Romário teve uma excelente atuação, acompanha de perto por Zagallo. Entretanto, apesar de ter jogado muito bem, Romário não conseguiu marcar e o jogo terminou em 0 a 0. E mais uma vez Zagallo ignorou o futebol de Romário. E o teria feito mesmo que ele tivese marcado gols naquela partida. Não havia nada que parecesse fazer Zagallo mudar de idéia.

E aí vieram as Olimpíadas de 96. Para o torneio, Zagallo poderia levar três jogadores acima da idade olímpica(23 anos). Os escolhidos foram o zagueiro Aldair, o meia Rivaldo e o atacante Bebeto, companheiro de Romário no ataque do tetra em 94 e preferido do técnico brasileiro. O time teve problemas desde o primeiro jogo e foi eliminado nas semifinais pela Nigéria, num dos grandes fiascos daquela geração.

Ao fracassar na disputa pela inédita medalha de ouro olímpica, Zagallo se viu muito criticado pela opiniao pública e teve que trazer mudanças para a Seleção. Marcando muitos gols, não houve mais como segurar e Romário foi finalmente convocado para integrar o time do Brasil. Entretanto, a rixa entre os dois não se resolveria ali.

Muitos duvidavam que dois centro-avantes como Ronaldo e Romário pudessem jogar juntos e questionavam a escalação da dupla Rô-Rô como os titulares do Brasil. Parece absurdo hoje, mas foi bastante pertinente à época. O fato é que Romário e Ronaldo não eram apenas dois atacantes da mesma posição, mas dois craques do mais alto nível, de modo que jogariam bem em qualquer lado do ataque, como acabou acontecendo.

Desde a primeira partida já ficou claro para a torcida brasileira a força do time do Brasil com Rô-Rô em campo. E o futebol apresentado reverberou por muito tempo nos corações dos torcedores daquela época.

Juntos, Romário e Ronaldo foram vice-campeões do Torneio da França(1997) e campeões da Copa América(1997) e da Copa das Confederações(1997).

Neste último, com direito a show particular da dupla na final; vitória de 6 x 0 sobre a Austrália, com cada um marcando três gols.

Entretanto, foi na Copa América que o destino de Rô-Rô foi sofreu desvios decisivos. Zagallo precisava muito daquele título para apagar o fiasco de Atlanta 96 e da própria Copa América de 95.

Para o ataque, Zagallo convocou para o torneio Romário, Ronaldo, Edmundo e Paulo Nunes. Na semifinal contra o Peru, o Brasil já vencia o jogo por 5 x 0(dois gols de Romário) quando Zagallo colocou Edmundo em campo. Após o primeiro passe do Animal, o Baixinho sentiu uma fisgada na virilha e pediu para sair. Zagallo não teve dúvidas: Romário havia fingido a lesão para não ter que jogar ao lado de seu desafeto Edmundo. Irritado, Zagallo não escalou Romário para a final contra a Bolívia. E a desavença entre os dois ficava ainda pior.

Mesmo assim, tudo andava engatilhado para a dupla Rô-Rô(maldito Galvão) brilhar na França. O problema é que às vésperas do Mundial Romário sofreu uma grave lesão e foi cortado da Seleção Brasileira que disputaria a Copa. Médicos como Nílton Petroni, o Filé, criticaram o corte, afirmando que o jogador poderia se recuperar a tempo de disputar o torneio(o que de fato aconteceu, com Romário jogando uma partida pelo Flamengo no mesmo dia em que o Brasil fez a estréia contra a Escócia). Mas Zagallo não havia esquecido o episódio da Copa América…

Pro lugar do Baixinho foi convocado o volante Emerson(!!), fato que se já foi questionável por deixar o Brasil apenas com três atacantes para a Copa ainda ficou pior depois que Emerson machucou a mão brincando de goleiro num treino. E assim, além de perder a oportunidade de ver o futebol mágico de Romário e Ronaldo no Mundial, o Brasil perdeu também a Copa do Mundo.

Passada a Era Zagallo, a dupla Rô-Rô voltaria a se encontrar dentro de campo. Jogaram juntos pela última vez em 28 de abril de 1999, no empate em 2 a 2 contra o Barcelona. Naquela partida, o último lance de ilusion da dupla: Romário dá a assistência para Ronaldo, que dribla o goleiro Hesp e faz o gol.

Mas como contar com um Romário de 36 anos para a Copa de 2002? O treinador Luiz Felipe Scolari não confiava no Baixinho, mas a torcida não tinha dúvidas: queria ele e Ronaldo para a “Japéia”. O público esperava tanto ver a dupla em ação que numa pesquisa feita em março de 2001 – quase dois anos após a última atuação da dupla Rô-Rô – 40% os entrevistados escolheram o Baixinho como atacante ideal da Seleção, entre uma lista que contava com 23 nomes. Em seguno lugar, Ronaldo, com 13,5%.

A enorme diferença entre os dois se explica: Ronaldo não jogava fazia quase um ano e Romário havia marcado nada menos que 73(!!) gols em 2000.

Mas isso não foi suficiente para amolecer o coração gaúcho do Felipão, tchê. E em 2002 a lista de atacantes para a Copa do Mundo contava com Edílson e Luizão, mas não tinha o nome do Baixinho.

Com a conquista do Penta naquele ano, toda a cobrança – e lembrança – pela dupla Rô-Rô foi ofuscada pelo título e quase desapareceu. Ainda bem que existe gente aplicada, que ama o bom futebol, pra fazer com que a geração youtube tenha acesso a essas fantásticas memórias, que ajudam a gente a entender porque gostamos tanto de futebol.

—————————————————————————————–

Romário e Ronaldo – a dupla em ação

19 jogos pela Seleção

14 vitórias

3 empates

2 derrotas

56 gols (média de 2,94)

60% dos gols (34) foram marcados pela dupla

Romário marcou 19 gols

Ronaldo marcou 15 gols

Em 3 jogos nenhum dos dois fez gol

———————————————————————————————

E, pra encerrar, dois vídeos – um bem ruim e outro que foi o melhor exemplo do que representou por algum tempo a dupla Rô-Rô para o torcedor: pura magia.

7 comentários

  1. eu que com ese e le o romario


  2. ééééé´quanta saudade daquele que certamente foi o maior jogador de todos os tempos que eu já vi jogar. Agora, falando a verdade, a copa de 94 foi a mais emocionante. E a eliminatória, o jogo brasil e uruguai com show de romário. No segundo gol comemorando com a torcida alguém chega por trás e dá um abraço no baixinho. Valeu peixe, sem você o futebol não seria o mesmo. O futebol se divide em dois períodos, antes e depois de romário. Os outros, são meros coadjuvantes…


    • Olá, não conheço você que publica esse blog, mas posso lhe dizer que você é um mero amador, como existem muitos no Brasil e no mundo. Nunca vi tamanha besteira em você falar que o Romário era desafeto de Edmundo na copa américa de 97. Ao contrário, eles eram melhores amigos. Viraram desafetos depois da copa de 98. É melhor você se informar direito para não comentar mais uma gafe terrível desta.


      • Meu amigo, se informe direito, Romário só voltou a jogar contra o Olaria ou Bangu, se eu não me engano, quando o Brasil estava para enfrentar a Dinamarca nas semifinais da copa de 98.


      • hahahaa. Cara vc é muito mal informado mesmo. O Émerson foi cortado da copa de 2002!!!


  3. Caraca Luiz, tudo bem, quer criticar o cara por informacoes erradas,blz bem. Mas com outra informacao errada, ai fica foda neh. Vc quis dizer enfrentar a Dinamarca nas quartas e nao nas semis. Ou por acaso esqueceu da inesquecivel partida entre Brasil e Holanda nas Semifinais?


  4. Nao interessa se foi na semifinal ou quartas, isso e muito irrelevante meu amigo!!! O que e interessa e que o Romario so se recuperou clinicamente nas fases finais da copa do mundo. Sem falar que ele ia entrar sem ritmo!!!



Deixe uma resposta para Luiz Pedro de Oliveira e Souza Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: