Archive for 20 de maio de 2010

h1

Super Mario Crossover

20/05/2010

Lembra quando tu ainda era um muleque bem pequenininho e tinha um nintendinho? Daí tu botava Super Mario Bros. pra jogar e ficava pensando “porra, que merda ficar pulando em cima de tartaruga com esse bigodudo de merda, seria bem mais legal se eu pudesse ficar pulando em cima de tartaruga com o Link, o Megaman, um dos carinhas do Contra ou um cara que pela roupa eu acho que é do Castelvania mas eu não tenho certeza porque nunca joguei Castelvania no Nintendinho?”

Pois então, alguém mais pensou o mesmo que você. Mas, ao invés de acompanhar a evoulção dos videogames e se divertir com um Nintendo Wii, ele decidiu recriar o primeiro Super Mario, com a opção de jogar com todos os personagens citados acima(mais o Metroid).

O mais legal é que cada personagem tem, assim como em seus títulos próprios, poderes diferentes, que são expandidos quando tu come o cogumelo(ainda não vi o que acontece quando se engole uma flor de fogos). Além disso, cada personagem vem acompanhado de sua trilha sonora original.

Muito jóia, uma pena que só dá pra jogar pelo computador(videogame, pra mim, é mesmo com joystick). Mas vale a pena uma experimentada, até que vicia. Pega o carinha do Contra – cujo nome curiosamente é Bill – e sai atirando pra tudo que é lado, cagando a fase toda, pra tu ver que legal.

O jogo foi desenvolvido por um tal de explodingRabbit e pode ser jogado apenas clicando aqui.

Deve ser fácil matar o Bowser com o Mega Man…

Anúncios
h1

A despedida

20/05/2010

Tchau bicampeonato sonhado da Taça Libertadores, boa noite. Até Deus sabe quando…

É para proferir essa oração que o Flamengo entra em campo hoje a noite, no Chile, contra os carrasco da La U.

Fosse outro time, a vitória por dois gols de diferençapareceria pequena diante das provocações motivadoras que os jogadores rubro-negros estão tendo que aguentar desde o início da semana. Mas é o Flamengo mesmo.

O Flamengo que foi eliminado do mesmo torneio com vexame em 2007, que repetiu a vergonha com juros no ano seguinte e que, aficcionado por tradições, não poupou esforços para conseguir mais uma saída indigna na edição de 2010 do Sulamericano.

Esse Flamengo é aquele que entra em campo de cabeça baixa, não consegue tocar a bola, criar sequer uma jogada de ataque nem organizar o setor defensivo. Tem o jogador mais técnico do time sentado no banco, lançado apenas aos 20 minutos do segundo tempo, quando precisar fazer já com placar adverso o que os inexplicáveis titulares de sua vaga falharam miseravelmente em executar.

É a equipe do atacante maior que a instituição do clube, que vive num mundo imaginário em que ele próprio é o Imperador de tudo e todos, enquanto a realidade, vinda na forma de derrotas e ausência na Copa do Mundo, faz piada do devaneio.

Sempre existem os que acreditam, pois é assim que funciona o torcedor de futebol. O injusto é cobrar de uma Nação formada por 35 milhões de patriotas de vermelho e preto que compartilhem do mesmo otimismo cego e injustificado.

Não deixo, assim como outros tantos, de ser flamenguista apenas por não acreditar numa classificação improvável que não virá. Já cansei de chorar por conta de derrotas do Flamengo. E o esgotamento do reservatório de lágrimas leva apenas à resignação, ao cansaço e apatia de enxergar, mais uma vez, uma formação sob veste do Manto jogar a vida dentro da Libertadores pra dentro do saco de lixo.

No que eu acredito? Em trabalhos bem realizados. Em profissionalismo. Em frieza, estratégia e planejamento. Há quanto tempo o São Paulo não disputa a Copa do Brasil?

Seria sorte?

O Flamengo não tem brios para fazer acontecer um milagre. A não ser quando esse milagre é perder de 3 a 2 dentro de um Maracanã com 70 mil torcedores. Desse tipo de milagre a equipe gosta, tem competência para realizar. Buscar resultado dentro de campo adversário, chileno casca-grossa, não.

Mais uma vez, de forma indigna, o Flamengo se depesde da Copa Santander Libertadores que têm times mexicanos e passa na FOX Sports. O que parecia ser um episódio isolado, um lapso futebolístico dentro de uma história vitoriosa, no quasro geral, virou praxe e hoje se consolidará como uma característica que acompanha e define o departamento de futebol rubro-negro:

o Flamengo tem trauma de Libertadores e sempre dá vexame quando participa da competição.

A triste rotina de derrotas faz o título de 1981, cada vez mais distante, ganhar ares de lenda. E o sonhado bicampeonato, permanece como sonho, cada vez mais parecido com distante desejo, ou um louco devaneio.

Impossível prever quando o Flamengo voltará a disputar o torneio.

Embora o resultado tenha se tornado desagradavelmente previsível.

Tchau bicampeonato sonhado da Taça Libertadores, boa noite. Até Deus sabe quando…