h1

Brasil 2 x 1 Coréia do Norte

16/06/2010


Com um pouco de atraso, mas tá aqui.

A idéia era escrever sobre todos os jogos da Copa que desse para assistir, mas até agora não saiu do jeito pretendido.

Mesmo assim, sobre o jogo do Brasil, tem que sair um pitaco.

Ao contrário do que a maioria possa acreditar, foi um bom resultado. A matemática é simples: estréia boa é estréia com vitória. Não adianta ficar desapontado com o placar ou com a falta de um futebol mais convincente. É sempre assim. Nem a Seleção de 82 fez bonito no primeiro jogo, não seria o Selecionado de Dunga que conseguiria.

Além do mais, desde que foram anunciados os grupos da Copa a Coréia do Norte já havia decidido que entraria em campo exclusivamente para não levar gols. Ferrolhão, retranca mesmo. E aí, no futebol dos dias de hoje, não tem muito o que uma equipe superior possa fazer, a não ser martelar o máximo que puder, tentando encontrar uns golzinhos. E foi o que o Brasil fez.

Não adianta ficar chorando porque a Alemanha jogou muito bem e goleou a Astrália. Foi bem diferente. A Austrália não se fechou no campo de defesa, ousou tentar ganhar a partida. Metia uma bola vertical e os alemães saiam livre dentro da área.

Com o Brasil foi bem diferente. A cada jogada de ataque era possível ver oito ou nove japas – se nós e os africanos somos tudo preto eles são tudo japa – contra três ou quatro brasileiros. Nem a física permite que se jogue futebol nessas condições.

Kaká e Luís Fabiano jogaram muito mal. Faltou brilho ao seu jogo, não conseguiu produzir nada de útil. Não sei dizer se isso é culpa da tal pubalgia, se é porque ainda se recupera ou simplesmente porque as coisas às vezes são assim. Já o centro-avante, artilheiro da Seleção de Dunga ao lado de Robinho, parecia nervoso e despreparado para a responsabilidade de jogar uma Copa do Mundo.

Mas o Brasil de 2010 não é aquele velho time cheio de talentos individuais. O forte da equipe é p conjunto, a força do elenco como uma equipe. Assim, não foi surpresa quando o lateral-direito Maicon e o volante/meia Elano marcaram os gols da vitória. É assim que é pra ser.

Na cagada, os japas ainda conseguiram marcar um golzinho, fato que particularmente achei mais engraçado que preocupante. O jogo já estava ganho e não existia perigo de uma reação. Serve para deixar a defesa brasileira mais atenta para as próximas partidas.

Contra Portugal e Costa do Marfim, adversários que necessitam de pontos para se classificar, a Seleção deve melhorar seu jogo.

O Selecionado atual sempre encontrou dificuldades em buscar o gol contra equipes isoladas na defesa. A especialidade desse Brasil é defender com muita qualidade e sair com vellocidade no contra-ataque, explorando as falhas do adversário. Mas, para isso, o outro time tem que vir pra cima, coisa que podemos esperar nas próximas partidas.

Não foi a estréia dos sonhos – nunca é – mas passa longe de ser o fim do mundo propagado por alguns veículos de comunicação. Tem muito futebol pra rolar.

E alguém avisa pro Maradona limpar aquela barba dele, porque tá toda cheia de pó branco. Ele fica falando merda e esquece de cuidar da higiene…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: